Google

quinta-feira, 15 de junho de 2006

Quatro portuguesas morrem nos EUA



"Incêndio em Fall River faz ainda 15 feridos



O incêndio que matou quatro portuguesas quarta-feira à noite nos Estados Unidos deflagrou no prédio que alberga a sede do clube português St. John Holy Ghost Association, em Fall River, Massachusetts, onde decorriam os preparativos para festa do Espírito Santo marcada para o fim-de-semana. O fogo fez ainda 15 feridos. Na origem do acidente estará a queda de uma vela que alastrou as chamas."

Foi esta uma das notícias que hoje foram apresentadas ao mundo pela SIC e tenho de manifestar os pensamentos que me vieram à cabeça enquanto assistia ao noticiário.

Antes de continuar queria só fazer duas ressalvas, a primeira apresentar as minhas condolências aos familiares das vítimas, não tendo qualquer relação com elas, perder um familiar é sempre doloroso e complicado; a segunda avisar os mais fanáticos e religiosos que este post vai, provavelmente, ser polémico e, como tal e já que estão avisados, só lêm se quiserem.


Às primeiras palavras que o pivot da SIC proferiu não liguei muito à notícia, mas depois algo me chamou à atenção. E passo a citar a notícia, conforme está no site da SIC (à qual podem ter acesso clicando no título deste post), "As vítimas mortais, todas mulheres, (...) Preparavam um serviço religioso especial, para o próximo fim-de-semana, em honra do Espírito Santo, muito venerado nos Açores, de onde as vítimas eram originárias.", "Tudo terá começado devido à queda de uma vela.", "(...) pegou inadvertidamente fogo a um altar decorado com papel."

A notícia é extensa e está carregada de tragédia com algumas citações de testemunhas e pessoas que estiveram envolvidas, uma delas diz "O que torna isto uma tragédia incrível é que estas famílias muito trabalhadoras de Fall River estavam reunidas para celebrar as suas vidas, a sua cultura, o seu espírito, a sua fé".

E é exactamente neste ponto que quero pegar, estavam todas reunidas para celebrar as suas vidas, a sua cultura, a sua fé. E, se não me engano, é de uma fé religiosa que estamos a falar, na qual se adora um deus e os seus santos e santas. Um deus que rege as nossas acções, que escolhe os nossos passos, pois caso contrário não haveria sitios comuns como "se Deus quiser", "graças a Deus" e afins. Quantas vezes, quando uma pessoa morre se diz que assim aconteceu "por vontade do Senhor".

Ora, isto quer dizer que os acontecimentos são por vontade de Deus, suponho eu. E quando estes acontecem, as famílias choram e perguntam porquê. Será que ninguém se pergunta onde está essa compaixão toda e justiça quando estas coisas acontecem? Afinal não são as pessoas devotas, crentes e practicantes mais merecedoras de uma vida feliz? Será que faz sentido ser devoto a algo que depois falha e nos coloca em situações difíceis? Depois diz-se que foi milagre de Deus que o indivíduo X ou Y tenha sobrevivido ou tenha saído de coma, etc. Mas... onde estava Deus quando aconteceu o acidente? Quando a pessoa ficou mal, onde estava Deus? Normalmente o todo poderoso é bom, mas será que ninguem o questiona quando acontecem as coisas más?

Compreendo perfeitamente que haja uma necessidade de se socorrer ou apoiar em algo externo a nós, o ser humano sempre teve essa necessidade, de venerar o desconhecido. Mas quando há provas de que nem tudo é como se apregoa, quando na base de uma devoção ou religião está uma igreja que apoia, supostamente os fracos e oprimidos, mas que vive com condições de reis, não me parece que haja grande equilíbrio. Não era JC uma pessoa simples e humilde e no entanto uma das maiores referências da Igreja? Então qual a necessidade de ter todas as capelas, igrejas e imagens dos santos e companhia como que forrados a ouro? Para quê tanta riqueza e magnificiencia na igreja, se esta representa o povo?

Até posso compreender o culto de um ser, supostamente, superior seja ele chamado de Deus, Alah, Jah, Buda ou Dalai Lama. O que não posso compreender é (a dedicação a) uma instituição cheia de hipócrisia e cinismo, como a Igreja Cristã.

Ainda mais uma pequena ressalva, respeito quem merece o meu respeito, sejam quais forem as suas crenças, assim como espero que todos respeitem os outros, sejam eles crentes, agnósticos ou ateus.

Deixem-me só deixar uma última mensagem, "Por Um Mundo Melhor":

17 comentários:

Mumia Lala disse...

Não sei se quando proferiste “as vitimas mortais, todas mulheres, …” querias dar a entender alguma coisa… de facto penso que o sexo feminino antigamente era o mais agarrado á religião, mas isso devido á educação que lhes era transmitida, ás crenças e superstições devido á falta de conhecimento… neste momento penso que já esta em igualdade.

Mas o ponto que realmente me chocou nesta noticia foi mesmo o “celebrar as suas vidas, a sua cultura, o seu espírito, a sua fé”… admito que até eu já fui crente e fiz a profissão de fé e crisma ( a educação que me incutiram desde pequena), mas neste momento que já tenho cabecinha para pensar, muitas das coisas em que acreditava deixaram de fazer sentido,… procuro uma justificação lógica e só a consigo encontrar na ciência…
Sei que é muito importante para as pessoas acreditarem em algo, terem fé, pois isso ajuda-as a ultrapassar muitas situações difíceis… não que seja milagre, mas sim porque arranjaram forças para lutar acreditando em algo, …
Não consigo perceber muito bem como consegue reger a nossa vida… e aqueles que não têm essas crenças religiosas, quem é que os guia? (sei que um crente vai dizer algo como, é um filho de Deus e ele não abandona ninguém, …)

Falas em “crentes e praticantes mais merecedoras de uma vida feliz”… a crença destas pessoas é tão grande que não existe espaço para maldade e quando algo de mal lhes acontece, justificam isso de forma a eles terem errado em alguma coisa e o Deus deles estar chateado com eles e a castiga-los…

Outra coisa que de facto também sempre me perguntei foi a parte da riqueza do “clero”… acredito que para uma pessoa ser crente ou ter fé não precisa de andar a contar a toda a gente e para rezar podem-no fazer sozinhos, qual a necessidade de se juntarem todos os dias ou semanas? É isso que vai aumentar a credibilidade perante o seu Deus? E se têm a necessidade de se juntar em grupos porquê tanta riqueza exposta com tanta gente a passar fome? (estes que são os protegidos da igreja)
Outra coisa que sempre me perguntei: se a fé é algo que tem haver com crenças e tudo á volta do “espiritual”, então porquê oferecer dinheiro aos “santos”, se ainda por cima estes estão mortos? Vão-lhe pedir favores a troco de dinheiro que ele não pode utilizar?

Ao fim de muito dizer, como podes reparar não discordo em nada do que dizes,… respeito muito as crenças dos outros e não são melhores ou piores pessoas por isso…
Já agora, achei muita piada á imagem que colocaste para salvar o planeta… ;)

Anónimo disse...

Bom se pensares um bocado sabes quem sou e como é óbvio não podia deixar de comentar este post. Vou faze-lo por pontos que não passam da minha visão como católico:

1º- Deus não rege as nossas acções nem escolhe os nossos passos, apenas nos dá uma orientação, indica o caminho que devemos seguir e ajuda a decidir qual a melhor opção a tomar nas escolhas da nossa vida. Por isso quando se diz: “se deus quiser” significa que estamos a fazer tudo para que algo aconteça e pedimos a Deus ajuda para que nada se oponha, ou que a decisão que tomámos seja a mais correcta.

2º- Mesmo para os mais devotos ou que interpretam a fé dessa forma e acreditam que é Deus que decide tudo não significa que não sintam a perda e não se interroguem o porque da escolha do Senhor.

3º- Quanto á parte da riqueza não posso deixar de concordar contigo, mas é assim faz parte do Ser Humano tudo o que tem poder sobre massas ostenta riqueza, desde o futebol, a música, as ditaduras, etc. Por exemplo faz-me muito mais confusão as ditaduras comunistas como a do Fidel que para continuar a explorar o seu povo mostra pobreza, para quê ter uma das maiores fortunas e ao nível de infra-estruturas Cuba é uma miséria, para quê todos poderem estudar se depois tem uma vida miserável para pagar os estudos. Pelo menos a Igreja partilha o que tem com todos, que mais não seja sob a forma de cultura.

Diogo "Mini" Bento disse...

Não percebo o pq de comentar como anónimo, mas pronto, um dia destes ainda há-de ser o tema de um post, os comentarios anónimos.

Mas voltando ao que interessa, no primeiro ponto, percebo o que queres dizer, mas não te parece que se se tenta fazer tudo para que algo aconteça e se pede ajuda a Deus para que nada se oponha, como é possível que o Todo Poderoso não ajude? Não serão os seus "subditos" merecedores de sua ajuda? Ou está demasiado ocupado com outras coisas?

2º ponto - nada a dizer, apenas que muitas das vezes é nessas alturas que muito boa gente, practicante há anos perde a fé, ou abre os olhos dependendo do ponto de vista.

3º, quase que concordo contigo até ao ponto de dizeres que a igreja partilhe o que tem com todos, é muito bonito partilhar a cultura enquanto se guarda o dinheiro dos fiéis no bolso, se realmente partilhasse o que tem procuraria atingir uma igualdade social, tal como a ideologia comunista a que tanto te opões o faz. Em relação a Cuba não quero comentar muito, mas estou certo que já ouviste falar no bloqueio económico da América a Cuba. Já agora aproveito para fazer uma pergunta visto que falas em fortunas, sabias que o Vaticano é um dos maiores accionistas da Fiat?

abraço

Anónimo disse...

Comentei anónimo pq foi o primeiro, pelos vistos não o ultimo, e aborreceu-me registrar, plos visto tb nao é agr.

Deus não nos pode oferecer mais que uma ajuda espiritual, no sentido de seguirmos o caminho certo, não tavas á espera que num acidente, que foi o q aconteceu (esquecendo a religiosidade quem “brinca com o fogo queima-se”), Deus descesse á Terra e apagasse o fogo.

Quanto ao resto não vale a pena continuar a discussão por aqui, mas já agora quanto a cuba sim sei do bloqueio americano então qual é o objectivo do Fidel em cobrar os impostos que cobra ao ponto de famílias passarem fome se depois não pode utilizar o dinheiro.
Quanto ao investimento do Vaticano, acho bem, uma vez que já não é cobrada dizima para a Igreja (atenção acho bem q não), Esta tem todo o direito de rentabilizar o que tem até pq cada vez á menos pessoas a fazerem donativos, e as ajudas aos pobres continuam. Quanto ao combate ás desigualdades sociais, lá está, a igreja pode dar uma ajuda aos mais desfavorecidos mas não tem que lhes dar uma vida que não merecem, cada um que trabalhe e se esforce para combater essa desigualdade

Anónimo disse...

bem,esta pergunta q tu te fizeste,de onde esta deus em certos casos tb eu ja me fiz, nao ha mt tempo qnd morreu uma miga mha...tanta gente q nao esta aqui a fazer nda e uma pessoa q tinha toda a vida pela frente vai assim do nada..concordo plenamente contigop em relaçao ao q disseste...a Igreja é o maior criminoso de smp.Como é q ai conseguimos ver espelhado Jesus Cristo e todas as ideias de compaixao,fraternidade,etc?Em algo q matou tanto,q foi intolerante com religioes diferentes,que roubou...enfim,tudo aquilo q nos sabemos da história.Sou catolica,acredito q tem q haver algo que nos transcende e nao sou diferente de tantas outras pessoas q acreditam...no entanto, eu nao sou crismada nem nda disso(so baptizada) e gostei mt da liberdade q me foi dada para fazer as mhas escolhas...Nao faço nenhum daqueles rituais(sim,pq sao rituais) da igreja e posso considerar-me uma catolica nao praticante( palavra com a qual eu nao concordo,prefiro chamar-me apenas crente). A Igreja é uma instituiçao feita por homens e com tal erra em mtas questoes-foi o q uma vez um padre me disse..Ao qual eu lhe perguntei: Entao Cristo nao disse a pedro q sobre ti edificarei a mha igreja?é feita por homens ou foi feita por cristo..?ele nao me soube responder...qnd lhe perguntei pq é q Deus deixava as crianças de africa morrerem a fome,pq é q existiam guerras ele disse-me q Deus nao interfere na vida dos homens,Ele so os observa...ele tenta guia-los para o melhor caminho mas q nao lhes pode dizer o q fazerem,nem pode corrigir os erros deles...e ainda me disse q eu nao sou crente pq nao sou praticante,pq n vou a missa,pq nao me confesso e pq axo q posso "estar" com Deus em toda a parte,qnd eu quiser,sem ter q entrar numa igreja...Mas pouco me importa se vou po Inferno ou nao,eu tenho a mha fé,e nao preciso de ng q me diga o q fazer,q faça a interpretaçao da biblia por mim como bem quiser..
No entanto, nao considero q esteja tudo mal na igreja!Ja fizeram mts coisas boas,ja ajudaram mts pessoas...mas a mha duvida continua a mm...sera q foram mais as boas ou as mas...?enfim...so gostava de partilhar esta mha humilde opiniao...By the way, eu estudo numa instituiçao catolica...sei do q falo...beijos

Pedro Miguel de Moura disse...

A Igreja foi o pior monstro que apareceu à face da Terra: fez mais guerras, holocaustos e destruição de culturas que qualquer outra...religião! Mas enfim, a maioria não vive sem "Deus" e não tenho nada contra isso, desde que deixem o etnocentrismo de lado, viver e deixar viver (mais uma utopia?); acho muito mais saudável a perspectiva de que nós somos Deus: como um espelho gigantesco que tivesse sido fragmentado em milhões de pedaços...no entanto cada um desses pedaços reflecte o sol por inteiro, como o espelho original intacto ;)

em relação ao comunismo e a Cuba vejam a discussão:
http://fml2002.blogspot.com/2006/05/j-estou-ver-que-se-no-for-para-falar.html

Meca disse...

questão central: as senhoras só morreram porque o Senhor achou q as deveria castigar (e eu dou-lhe razão). e porque? por um pecado mortal (neste caso: qualquer Português deixa para a ultima da hora qualquer preparação para o q ai vem....como e obvio a celebração de uma festa religiosa feita por um Potuguês deve ser preparada na vespera ou quiça no próprio dia.n foi o q aconteceu... a preparação começou uma semana antes, os seus pecados...muito simples, renegação do seu próprio povo. castigo: a morte. POR UM MUNDO MELHOR:
BELIEVE IN A GOD DONT BELIEVE IN A CHURCH

Diogo "Mini" Bento disse...

menina, obrigado pela tua opinião...
Nao tenho muito a dizer em relaçao ao que escreveste.
Em relação a Deus não interferir na vida das pessoas, apenas observar e tentar guiar, na minha opinião essa resposta que o padre te deu, não foi mais que uma desculpa como tatas outras que a igreja encontra para justificar as suas falhas e lacunas, porque quando lhe da jeito, Deus toma posição e faz as coisas acontecer. Caso contrario não se pedia a Deus para que isto ou aquilo aconteça.
Quando te disse que não eras crente por não seres practicante... essa afirmação não fez o mínimo sentido, quem era ele para saber das tuas crenças? É necessario cumprir rituais visiveis aos outros para que possamos ser considerados crentes? Ou ser crente quer dizer que se crê em algo, que se acredita? E isso, ou muito me engano, ou vem de dentro de nós e nao precisa de ser exteriorizado.
No que toca à tua ultima questão, acho que as más foram mais fortes, pelo simples facto de a igreja tentar usar as crenças das pessoas para tentar reger as suas vidas, em muitas ocasiões.
bjs

Diogo "Mini" Bento disse...

pedro, gostei da tua perspectiva "somos Deus: como um espelho gigantesco que tivesse sido fragmentado em milhões de pedaços...no entanto cada um desses pedaços reflecte o sol por inteiro, como o espelho original intacto". Foi a primeira vez que ouvi falar ela, interessante...

Diogo "Mini" Bento disse...

o que é que se ha-de dizer meca?
"BELIEVE IN A GOD DONT BELIEVE IN A CHURCH"?
ou nem isso?...

Bruno "Fiasco" Rebocho disse...

"Deus escreve direito por linhas tortas"
Até concordo perfeitamente contigo quando achas que as pessoas tem de acreditar em algo superior, algo que esplique o porquê de coisas que passam para além do explicavél, mas isso tambem já começa a deixar de ser motivo com os avanços cientificos. Eu acredito em Deus, na historia da igreija...humm. Temos de ver que é uma instituição criada e composta por Homens e o ser humano não é perfeito como sabes. Basta ter estado com atenção aos ensinamentos dos prof's de historia na escola que sabemos logo que a Igreija nem sempre cumpriu a "palavra de Deus", não é!?! Mas acho que neste momento até tem sido uma instituição que tem apoiado as comunidades, nem que seja só para dar a esperança que alguem está a olhar por nós.

Abraço

Inês Vidal disse...

Dizzy tenho mta pena que continues com os horizontes tao curtos... eu achava melhor antes de fazeres qualquer comentário sobre, por exemplo, a quantidade de ouro que podes encontrar dentro duma igreja antiga (o que acho ridículo usares esse tipo de argumento mas enfim...) porque estás muito pouco informado em relação ao porque desse"fenómeno" que tanto te incomoda sabe-se lá porquê... ninguem te pediu nem te aliciou, acho eu, para direcconares os teus valores em sentido contrário ao que pensas, mas acho que RESPEITO, é o minímo que se pode pedir a uma pessoa que julgo inteligente mas pouco segura dos seus ideais...se nao, nao porias em causa uma coisa que está muito distante do que tu consideras negócio.. mas ok é daquelas coisas que não vale a pena discutir ctg por que tu não consegues entender nem respeitar, mas devias... perdes mt com isso porque faz de ti uma pessoa pouco flexível...é pena!!!! ahh e acho mt triste lançares este tipo de questões num blog e a maneira superficial como as abordas...se calahr se aprenderes a conviver com pessoas diferentes sem apontares o dedo talvez consigas resolver esse conflito que tens dentro de ti e que nao te deixa "respirar"

Mumia Lala disse...

Achei muito interessante este último comentário agressivo e tão pouco imparcial e intolerante porque reflecte nitidamente que quem não é flexível ou sabe respeitar as opiniões dos outros é a própria...
Para fazer um comentário completo não basta analisar a historia… e mesmo analisando a historia não percebo porque é que o clero era dos mais ricos, andava sempre bem vestido, comia bem, tinha bons meios de transporte e o maior luxo nas suas residências (igrejas e habitação) e no entanto aqueles que era suposto ajudar continuavam cheios de fome e descalços… talvez me consigas explicar então este facto… e talvez também me consigas explicar porque é que nas igrejas que fazem actualmente continua a haver tanta riqueza e tudo feito com os melhores materiais… talvez me consigas explicar porque é que o padre da minha paroquia consegue mudar de carro todos os anos não tendo ele qualquer outro rendimento além o de ser padre (segundo ele afirma)…
Acho que quem não questiona o que nos rodeia é que poderá ter “horizontes curtos”… e desde já afirmo que questionar não implica que deixe de ser crente…

unico cavaleiro vivo da ordem de MALTA... disse...

"ninguem te pediu nem te aliciou, acho eu, para direcconares os teus valores em sentido contrário ao que pensas "??????

"pouco segura dos seus ideais...se nao, nao porias em causa uma coisa que está muito distante..."???????

"talvez consigas resolver esse conflito que tens dentro de ti e que nao te deixa "respirar" "??????

todo este comentário deixa muito a desejar , em primeiro lugar,em termos de sentido. um discurso pouco organizado com ideias dispersas, pouco concisas. em segundo lugar nao se trata de um comentário à opinião expressa no post mas sim um ataque ao individuo em si,quiça tipico das pessoas extremas em relação à sua religiao (n querendo generalizar, correndo o risco de ferir sensibilidades). de qualquer forma ainda há coisas para as quais a minha inteligencia consegue encontrar explicações ( o q n aconteceu c esse comentário a roçar o estupido e o absurdo de uma tal de inês qualquer coisa) , entre elas o facto das igrejas tere muito ouro, os padres andarem com grandes bombas. é muito simples....sao uns ladroes de merda gananciosos q n tem qualquer ponta de humanismo.

Inês qualquer coisa.. tono disse...

inda bem que nao vou escrever aqui nunca mais mas deixa me dizer t que o comentário que fiz foi a um amigo e a maneira como tu argumentas " roça"(adorei....)o ridículo com essa postura de intelectual ... enfim eu não costumo me esconder atras do computador para poder expressar os meus sentimentos... O comentário que fiz ao meu amigo dizzy já o fiz frontalmente e não se trata de de acusação mas sim de uma divergência de opiniões. Dispenso literalmente os teus comentários porque não alimento este tipo de assuntos abordados tão superficialmente e num tom de "ataque"..desculpa tenho uma opinião diferente da tua.. mas não te esqueças tu vais mudar o mundo!!!!!!!!
boa sorte
Desculpa Dizzy achei mt interesante a tua inciativa mas já percebi que faler contigo é a melhor opção beijinho da amiga*****

Unico cavaleiro vivo da ordem de Malta....em responta a ines nao sei das quantas...... disse...

Ajudar o próximo, fazer o bem, altruísmo em prol de uma humanidade, sociedade, comunidade e paróquia. Esta é a minha visão utópica do significado de uma instituição chamada igreja, mas como qualquer visão utópica ultrapassa qualquer sentido do real, para uma análise racionalista e eficaz, exporei aquilo que constitui a minha visão da igreja por pontos.

a) Instituição sem fins lucrativos que arrecada milhões por ano (gastos na sua auto-suficiência e alimentação de todos os seus desejos megalómanos)
b) Empresa manipulativa da fé, dos sentimentos de perda de sentido da vida/existência e da desgraça alheia, com o intuito de promover tudo aquilo referido anteriormente em a).
c) Sociedade anónima com sede no Vaticano que se dedica à organização de eventos lúdicos onde a população em geral pode descarregar as suas frustrações, depressões e ilusões, alimentando as suas angustias de perda e sentimentos persecutórios.
d) Conjunto de Hierarquias onde a mais elevada (o Papado) pode chefiar os seus súbditos, controlando o seguimento de todas as regras impostas ( “ordens divinas”), ditadas com o objectivo de alimentar a autopromoção e promover a regulação dos pensamentos e atitudes de toda uma sociedade.
e) Promoção de sentimentos de inferioridade nos fiéis em relação a algo ( um DEUS) existente, que mais tarde ou mais cedo ditará o seu destino, provocando sentimentos paradoxais que em larga escala levarão à confusão mental e posteriormente à debilidade.

Esta é uma visão integra de uma igreja que tanto mal nos fez ( contra o argumento dos fiéis ) durante séculos. Pois bem, não será nem a primeira nem a ultima empresa a abrir falência ( recordo aqui o caso da Parmalat, bastante similar, passaram anos a mamar das tetas das vacas, a roubar dinheiro aos sócios e um dia faliram), a diferença é que o dinheiro (ouro) roubado durante anos em nome de Deus ( guardado religiosamente nos cofres do Vaticano) a sustentara durante longas décadas.
Não seria mais virtuoso, em prol de toda a sociedade alimentar todos aqueles que de uma maneira ou de outra são excluídos socialmente???
Não seria bem mais bonito acabar com o sofrimento das crianças em África???
Não seria de tamanha hombridade e verdadeiro altruísmo criar uma empresa de investigação (de vacinas para a SIDA por exemplo, que tanto ajudaram a espalhar pelo mundo fora através da proibição do uso do preservativo ) com todo o dinheiro empregue na decoração das igrejas????
SERIA, eu sei que sim!!! Mas tudo isso não interessa...Sem desordem, não há ordem. Sem insegurança, não há segurança. Sem desgraça, não há necessidade de Fé.
Não quero mudar o mundo, quero apenas que quem tem o poder para o fazer, não o use de uma forma errada, que as pessoas que acreditam na igreja e estão próximas dos quadros da direcção dessa empresa lutem para que um dia tudo isso valha a pena!
No mundo ideal, a representação na terra de Deus ( os seus managers ) já morreu.

Ps: A razão que levou a que nos primórdios fossem ornamentadas as igrejas a ouro..... muito simples. Assim, ocupa menos espaço e é mais difícil de roubar.

( UMA PESSOA COM OPINIÃO DIFERENTE DA MINHA NÃO TEM NECESSARIMANETE OS HORIZONTES MUITO CURTOS. E AINDA BEM QUE DECIDISTE NÃO VOLTAR A ESCREVER!!!)

Diogo "Mini" Bento disse...

inês, a resposta ao que escreveste... http://dizzy5.blogspot.com/2006/06/um-comentrio-demasiado-grande-para-ser.html
bjs